“Olá?… Olá?… Há alguém ai?…”.

Afinal onde eu estou?

Esta tudo longe, esta escuro. Talvez esteja nevando e está muito frio, meu corpo esta quente… Quente demais, esta me sufocando!

Quero gritar, mas não há ninguém. Ninguém vai me ouvir, vejo pessoas e todas de costas. Quero ver seus rostos, mas ninguém se vira…

“Olá?… Quem é você?… Estou vivo?…”.

Não pode ser… Sim! É um sonho, estou em um sonho, mas porque não o controlo? Eu decido minha vida! Não quero mais ver estas pessoas. Estão me incomodando. Porque não posso ver seus rostos, porque ninguém responde?

“Saiam todos! Odeio vocês! Desapareçam do meu sonho!”.

Me sinto bem. Eu mando aqui, faço o que quero e todos fazem o que eu quero. Sim, assim que tem que ser.

Me sinto sozinho.

Talvez eu tenha medo, qual é o futuro, quem são meus amigos? Se eu controlasse o destino, seria esse o fim de todos ou esse o meu fim?

Quero correr para bem longe…

Mas já estou longe demais.

O que é aquilo? Quem é ele? Sou eu? Sim, eu posso me ver… Espere mas é tão diferente…

Por um segundo não pude ver. Fechei os olhos para não acreditar. E agora? Vejo uma luz, esta claro, muito claro. São trovões, raios que cortam o céu, a noite não é noite, mas não é dia. Não há chão, onde estou?

Luz, luz, luz! Não consigo respirar! Socorro. Alguém me ajude por favor. Não quero morrer.

Finalmente, posso ver. Era um sonho, apenas um sonho, nada mais que um simples sonho. E eu tive medo, medo em um sonho. Que absurdo.

Bom… Já é uma da tarde, melhor eu ir trabalhar. Acho que a empregada faltou, este apartamento esta uma zona. Onde será que estive ontem, não me lembro deste cheiro, minha cabeça dói. Acho que uma ducha resolve.

Ah, este carro é uma beleza, quem disse que preciso de algo mais. Esse som é forte. Sim, forte como eu.

Nunca havia reparado o quanto é longe, parece que a rua não acaba. Bom, assim da pra curtir um pouco esse carro. Que maravilha!

Será que hoje é domingo? Não vejo ninguém na rua. Engraçado não ter um calendário por perto quando a gente precisa. Já sei! O celular. Engraçado, a data não esta configurada, deve ter caído ontem. Esta fora de área, logo agora, isto está me frustrando. Vou acabar trocando de operadora assim.

Deixa isso pra lá. Pouco me importo, devo estar chegando. Engraçado, parece o meu prédio no final da rua dessa esquina. Que confusão.

Espera. Não era… Mas não há esquina aqui, afinal… Que frio, o ar quente do carro deve ter quebrado. Esta no máximo e estou com frio. Como escureceu rápido. O relógio de casa deve estar com problemas, só pode.

Sim, sim, ótima hora para acabar a gasolina. E eu nem sei onde estou… Caminhando eu devo chegar em casa, aquele prédio parecia mesmo o meu, mas não vejo a maldita esquina.

Cadê todo mundo? Onde eu estou? Estou correndo, mas não sinto sair do lugar, cadê a esquina?

“Olá?… Olá?… Há alguém ai?”.