Estou caindo. Mais uma vez me encontro em um longo caminho. Caminho único para apenas uma direção. Incrível como às vezes entro nesses caminhos, vejo o que me espera e mesmo assim não tenho a menor idéia do que vai vir depois. Uma grande mudança, ah… Isso eu afirmo.
Continuo caindo. E não há mais volta. Não há em que passado pensar, não me arrependo de nada. A única coisa que me corroe é esta memória.
O passado, futuro e presente como um todo. Nada mudou, é tudo tão igual, os mesmos erros se repetindo, incrível eu estar feliz. Eu cometo erros, vivo em uma sociedade, cometo erros porque sou induzido a eles e a culpe é toda minha. Tenho sentimentos.
Estranho… O tempo estar passando tão devagar. Está frio, estou do lado de fora, ainda estou caindo, tenho dúvidas sobre isso, mas não quero abrir os olhos, não agora. Ta muito frio.
Engraçado, nunca me esqueci daquele dia normal em minha infância, olha, isso faz muito tempo. Não tem nada, nada de especial naquele dia, na realidade só representa diversos outros dias iguais aquele nos quais me lembro de todos. Lembro-me.
Lembro da festa com os amigos, é especial, pois é com amigos, mas é só mais uma festa dentre todas de final de semana. Lembro das aulas. Costumava ter aulas… Sim, quando eu ia a elas. Mas na minha memória a sala de quarenta, às vezes sessenta alunos. Só vejo oito ou dez. É incrível como me lembro de forma diferente das coisas às vezes.
Tenho amigos e amigas, me pergunte quem são e eu vou te explicar exatamente, mas é como eu penso, pois tente me perguntar seu cabelo, olhos, físico, às vezes não me lembro nem do nome. Mas o jeito e a situação isso eu não esqueço.
Esse é meu último “log”, sei que alguém vai achar este registro, se não eu não perderia meu tempo fazendo e escondendo ele. E você só esta recebendo por e-mail, pois eu sou importante, até para você que não sabe quem sou eu, mas para pessoa que enviou, eu sou importante, a ponto de fazer algo que eu deixei como destino e não pedi a ninguém.
O que eu fiz? Por que sou importante? Eu apenas pensei.

Se você está lendo este e-mail é porque não estou mais vivo. Não criei coragem, apenas curiosidade. Agora eu sei algo o qual você teme, sei a resposta para uma pergunta que com certeza lhe faz pensar todos os dias.
Viva antes de querer achar a resposta pela qual só a morte pode esclarecer. Seja bom assim como eu já fui, pense nos outros, as pessoas querem existir, mas não pense por elas, é perda de tempo. Deixe apenas explicito como você pensa, mas lembre-se isso o fará ser julgado, mas no final o resultado não importa não me julgaram pelo que sou ou faço a maioria ainda não descobriu apenas pelo que pensaram de mim no dia que me viram.
Não voltarei, mas alguém vai continuar para você o que eu não comecei. Adeus.